Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Cortina Header
  Gestão Orçamental

Realizar poupança

Saiba mais »

 | Realizar poupança  | Realizar poupança
Casa

Grandes eletrodomésticos, quando trocar?

Publicado em 06-04-2018 por Cofina Conteúdos

Após anos e anos a trabalhar a fio, o seu frigorífico ou máquina de lavar começa a dar sinais de uso e a ameaçar falhar ou, nalguns casos, deixando pura e simplesmente de funcionar. Saiba se está chegada a hora de os substituir

Fiéis companheiros nas nossas casas, só lhes damos o devido valor nos dias em que nos falham, quando subitamente nos vemos assoberbados com pilhas de roupa à espera de lavagem, alimentos a estragarem-se em três tempos, água fria na hora de tomar banho ou despesas extras com take away ou refeições fora de casa porque o forno ou fogão se recusam a dar sinal de vida. Falamos dos grandes eletrodomésticos, essenciais no dia a dia. Saber quando os substituir ajuda a evitar surpresas e, sobretudo, a preparar-se para a despesa extra que terá de contemplar no seu orçamento.

Quanto dura um eletrodoméstico

O tempo de vida útil dos eletrodomésticos é sempre uma incógnita, mas mesmo não se tratando de uma ciência exata, situar-se-á aproximadamente nos 10-20 anos para os grandes eletrodomésticos, como esquentador, frigorífico, máquinas de lavar, etc., mas muitos poderão durar muito mais. Outros menos. Depende não só da marca como do cuidado que temos com os mesmos.

Limpar os filtros das máquinas, remover o cotão da secadora, não sobrecarregar a máquina da roupa, limpar o forno, aspirar a parte de trás do frigorífico, são gestos que feitos com regularidade ajudam a prolongar a vida útil dos aparelhos.

Para ter uma ideia mais clara de quanto podem durar os seus eletrodomésticos, de acordo com o estudo America Home Equity Study of Life Expectancy of Home Components (Estudo da Expectativa de Vida dos Componentes de Casa), da National Association of Home Builders (Associação Nacional de Construtores de Casas) e patrocinado pelo Bank of America, o tempo de vida útil expectável para um aparelho de ar condicionado são 15 anos; para a máquina da loiça, nove anos; máquina da roupa, 10 anos; secadora, 13 anos; micro-ondas, nove anos; frigorífico, 13 anos.

Quando trocar

Mas se um destes eletrodomésticos começar a falhar por volta desta altura, o melhor será pensar em trocar; mandar arranjar pode já não compensar. Especialmente se as “pequenas” avarias se sucederem ou se o orçamento de reparação equivaler a metade ou mais do custo de um aparelho novo. No caso de situações como o tambor da máquina de lavar roupa deixar de rodar mesmo com carga leve, ferrugem nas laterais do forno ou falha no compressor do frigorífico que leve a sobreaquecimento, trocar é a melhor aposta – entre o preço das peças/reparação e mão de obra, o custo final não compensa a sua manutenção.

A família pode também crescer, exigindo substituições prévias para responder às novas necessidades e, nalguns casos, a troca poderá compensar se o novo aparelho for bastante mais eficiente no que ao consumo de energia diz respeito.

Contas precisam-se

Em caso de avaria, sempre que possível, peça mais do que um orçamento – o ideal seria ter pelo menos três – para poder comparar e optar pelo mais vantajoso. Ou não, se o custo de reparação não compensar.

Neste caso, mesmo se a troca for urgente, não se precipite. Alguns minutos online, se não quiser sair de casa, permitem-lhe conhecer – e adquirir, se assim o desejar – diferentes modelos do aparelho pretendido disponíveis. Regra geral, possibilitam também a sua comparação para uma escolha mais acertada.

Avalie bem as suas reais necessidades: atualmente comprar um eletrodoméstico é muito semelhante a adquirir um automóvel; entre utilitários e Ferraris, a oferta é muita. E o mesmo se passa com frigoríficos ou fogões, que podem atingir vários milhares de euros. Se for para servir apenas uma ou duas pessoas, não se justifica um frigorífico americano ou um fogão de sete bocas, a não ser que receba muitos amigos frequentemente ou que ganhe dinheiro a cozinhar. O mesmo se aplica ao micro-ondas, se o utilizar apenas para aquecer ou descongelar alimentos, provavelmente não se justifica investir num com convecção, com funcionalidade para fritar alimentos sem óleo, etc. E à máquina de roupa, por exemplo, cuja capacidade de carga elevada serve sobretudo para lares com duas ou mais pessoas ou se se optar por lavagens quinzenais, se for apenas de uma.

Lembre-se também de confirmar as medidas para saber se cabem no espaço disponível em casa.

Aquando da aquisição, informe-se sobre as entregas ao domicílio, montagem se necessário e, não menos importante, certifique-se de que levam o aparelho velho.