Cortina Header
  Gestão Orçamental

Prever as suas despesas

Saiba mais »

 | Prever as suas despesas  | Prever as suas despesas
Motores

Pé no travão

Publicado em 22-11-2017 por Cofina Conteúdos

Conduzir em segurança passa, e muito, por um sistema de travagem em boas condições. Conheça alguns dos cuidados que deve ter para assegurar o bom estado dos seus travões.

À medida que a distância aumenta no conta-quilómetros, maior é o desgaste nos seus travões, daí a necessidade de verificar regularmente o estado dos mesmos e assegurar que são inspecionados por um profissional pelo menos uma vez por ano.

São vários os fatores que condicionam o estado dos seus travões: hábitos e condições de condução, tipo de carro, qualidade dos travões. Com o tempo e os quilómetros acumulados, não há como evitar a substituição de um ou mais componentes; há, no entanto, formas de prolongar a sua vida útil.

Tudo o que é demais

Habituar-se a deixar de acelerar ou usar o motor para reduzir a velocidade sempre que viável em vez de usar sistematicamente os travões é decididamente algo em que deve ponderar para conseguir mais algum tempo de vida dos seus travões. Se este é um hábito adquirido, difícil de abandonar, deverá proceder à sua inspeção mais amiudamente. Idealmente, o intervalo entre inspeções ao sistema de travagem não deverá ultrapassar os 20 mil quilómetros.

Com o passar do tempo, o líquido dos travões vai-se degradando, implicando a sua substituição a cada dois anos, de acordo com as recomendações da maioria dos fabricantes. Para os “mais amigos do travão”, no entanto, o intervalo pode ter de ser menor. Se reparar que o mesmo está queimado, cor escura, deverá acrescentar à lista de afazeres do dia a mudança de óleo.

Sinais que não deve ignorar

Ruídos estranhos ou chiar quando usa o travão ou o carro a puxar para um dos lados é sinónimo de que algo não está bem com os travões; não ignore estes sinais e procure assistência. Outros indicadores a ter em conta são a luz indicadora de problema nos travões, naturalmente, vibrações, sensação de que o pedal do travão está rígido ou, pelo contrário, afunda demasiado, sinais de que as pastilhas e os discos de travão já chegaram ao final da sua vida útil.

Substituir peças ou líquido ou afinar pequenas anomalias fazem toda a diferença no controlo e segurança do seu automóvel.

Não arrisque. Além de menores condições de segurança, quanto mais tempo deixar passar, mais a fatura final tende a aumentar.