Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Cortina Header
  Gestão Orçamental

Antecipar outros encargos

Saiba mais »

 | Antecipar outros encargos  | Antecipar outros encargos
Motores

Bicicletas: como transportá-las no carro

Publicado em 12-10-2018 por Cofina Conteúdos

Andar de bicicleta é uma atividade cada vez mais popular, pelo menos a julgar pelo número de ciclistas na estrada. Se é o seu caso, siga as nossas dicas para transportar no carro a sua da melhor forma

O transporte de bicicleta em automóveis ligeiros está sujeito a regras específicas cujo incumprimento é punível por lei com coimas que podem ultrapassar os 100€, por isso convém saber o que dita a legislação para evitar surpresas desagradáveis.

Tejadilho

Práticos, os suportes de tejadilho têm a vantagem de poderem ficar instalados o tempo que se quiser, desde que tenham um sistema antirroubo incorporado. Convém, no entanto, ter em atenção que elevam a altura do veículo, o que nos veículos mais altos pode condicionar o acesso a algumas garagens, além de poder alterar o comportamento do carro, nomeadamente em termos de consumo. Outra das vantagens é não afetar o acesso às portas, como a traseira. Condutores de baixa estatura a viajarem sozinhos podem ter alguma dificuldade em colocar a bicicleta sobre o tejadilho – a solução passa pelo recurso a um banco ou pequeno escadote, por exemplo.

Porta traseira

Esta é uma boa opção para levar até quatro bicicletas normalmente, desde que não ocultem a matrícula ou os faróis traseiros. Neste caso, terá de acrescentar um painel de luzes ao suporte. Este é de utilização simples e prática, embora impeça o acesso à bagageira e comprometa a visibilidade traseira. Como as bicicletas são presas por fitas ou correias, convém verificar se com o movimento, estas não ganham folgas. Faça-o nas paragens para descanso e esticar as pernas. Se transportar mais do que uma bicicleta, há que verificar que as mesmas não excedem mais de 45 cm do comprimento do automóvel. Também não podem ultrapassar a largura do carro, pelo que poderá ser necessário retirar uma das rodas.

Bola de reboque

É um sistema ideal para automóveis que trazem a bola de reboque de origem, até porque é um dos sistemas mais estáveis. Por esta razão, é uma opção a ponderar se faz regularmente viagens longas com a bicicleta. Tal como no sistema anterior, verifique se a(s) bicicleta(s) não excede(m) a largura do veículo. Se este for o sistema escolhido, confirme que a bola de reboque está homologada e averbada na caderneta do automóvel.

No interior

Trata-se de uma hipótese a considerar para viagens curtas e apenas viável quando o habitáculo é grande, quando não há passageiros próximos e se conseguir segurá-la bem. Não esquecer que, em caso de acidente, objetos pouco estáveis podem provocar danos graves ou mesmo mortais. Como opção alternativa e desde que haja espaço, pode transportar bicicletas na bagageira. Eventualmente precisará de tirar uma roda e proteger a bicicleta com espuma ou cobertores para não se estragar com o movimento.

A pensar nos ciclistas

Algumas marcas de automóveis oferecem um sistema para transporte de duas bicicletas inserido no para-choques traseiro e que se puxa formando uma plataforma na qual se prendem as bicicletas.

Tome nota

Independentemente do sistema de transporte escolhido, assegure-se de que a bicicleta está bem segura, não se movendo nas curvas ou travagens bruscas, e que a visibilidade não é totalmente comprometida.