Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Cortina Header
  Gestão Orçamental

Manter alguma liquidez

Saiba mais »

 | Manter alguma liquidez  | Manter alguma liquidez
Motores

Condução: Hábitos a evitar para prolongar a vida do seu carro

Publicado em 29-05-2019 por Cofina Conteúdos

Aumentar a vida útil do seu automóvel e prevenir gastos de outra forma evitáveis depende muito da forma como o trata, mas também de como o conduz. Eis alguns dos erros mais frequentes.

Alterar alguns hábitos de condução e simultaneamente evitar outros básicos de manutenção é a chave não só para prolongar a vida do seu carro, mas também para poupar – por vezes significativamente – em despesas de oficina. Por isso, se quer que ele dure mais, eis o que não deve fazer.

Arrancar a fundo assim que o motor pega

Como não dá tempo ao lubrificante e outras partes de atingirem a temperatura ideal, vai submeter o motor a condições extremas numa altura em que está ainda desprotegido, acelerando o desgaste do motor

Condução agressiva

Se tem por hábito fazer uma condução agressiva, prepare-se para danos prematuros no sistema de travagem, transmissão e motor. Este tipo de condução reflete-se ainda no consumo desnecessário de combustível, acelerando igualmente o desgaste dos pneus, além de poder ter impacto no motor, o que em termos práticos significa uma fatura muito pouco agradável.

Rodar o volante com o carro parado

… especialmente até ao limite. Além de criar folgas, desgasta os pneus, desequilibra a suspensão.

Circular na reserva

Andar sistematicamente com o carro na reserva é de evitar. Aliás, o ideal é mesmo não deixar chegar frequentemente à reserva, para não ter de trocar a bomba de combustível antes do previsto.

Excesso de travões

Abusar do travão leva a um desgaste prematuro das pastilhas e dos discos – no caso destes últimos, pode levar ainda a deformações – e comprometer em última análise o sistema de travagem.
Puxar o travão de mão violentamente é outro erro comum, já que contribui para a sua desregulação e inclusive pode empená-lo, impedindo o seu funcionamento, comprometendo a segurança não só do condutor e passageiros, mas também de transeuntes, já para não falar dos estragos em bens imateriais que também pode provocar. Se tiver de fazer um esforço hercúleo para o deixar travado, leve-o a uma oficina para ser devidamente regulado.

Adiar a manutenção

Se quer manter o seu carro por vários – ou muitos – anos, não há como ignorar os cuidados básicos de manutenção: mudança de óleo, do líquido dos travões e refrigerador (habitue-se igualmente a verificar os seus níveis). Troca de filtros é também essencial e são muitos os locais a prestar já estes serviços a preços bastante acessíveis. Descurá-los pode levar a reparações bem mais dispendiosas posteriormente.

Pneus vazios ou gastos

Se não costuma calibrar regularmente os seus pneus nem trocá-los quando estão gastos, saiba que por não fazê-lo está a roubar ao automóvel uma percentagem significativa de vida útil e a aumentar a probabilidade de danos por impacto e eventual rebentamento, aquaplanagem, assim como de ver a eficiência da travagem reduzida. Mal calibrados, os pneus ficam também mais instáveis, aumentando o risco de acidente.

Pneus em equilíbrio

Deixar um pneu “equilibrado” no lancil ou três na estrada e um no passeio força a suspensão e a própria estrutura do pneu, reduzindo o intervalo entre a sua substituição.