Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Cortina Header
  Gestão Orçamental

Realizar poupança

Saiba mais »

 | Realizar poupança  | Realizar poupança
Motores

Condução mais segura em autoestrada

Publicado em 07-05-2018 por Cofina Conteúdos

Independentemente dos quilómetros já feitos e da qualidade das autoestradas, a sua segurança e das demais pessoas em circulação deve ser sempre uma prioridade

Embora se trate de vias públicas destinadas a trânsito rápido, há que ter sempre em atenção os limites de velocidade em autoestrada. Em Portugal e em vários países europeus é de 120 km/h, embora haja alguns, como a Holanda, onde baixa para os 90 km/h, com ultrapassagem incluída. E não menos importante adaptar a velocidade às diferentes condicionantes, como maior intensidade de tráfego, vento, piso escorregadio, etc.

Respeitar os demais condutores é outro dos cuidados a ter. Procure ajustar a sua velocidade à do tráfego (sem ultrapassar os limites de velocidade) e lembre-se de que a faixa da direita é a faixa de circulação por excelência e que a da esquerda deve ser apenas usada para ultrapassagem.

Se não se sente confortável a conduzir em velocidades elevadas, deverá procurar vias alternativas. A circulação em velocidade reduzida na faixa da direita ou mesmo central é perigosa para todos os demais veículos.

Distância segura

Ninguém gosta de sentir o carro de trás “colado” ao seu, até porque em caso de travagem imprevista o risco de colisão aumenta exponencialmente. Daí a importância de manter uma distância de segurança do veículo da frente, especialmente se se tratar de uma moto. Este é um cuidado que deve ter mesmo com trânsito lento, em que há alguma propensão para se distrair, comprometendo ainda mais a circulação caso embata no veículo da frente.

Com chuva e neve, há uma menor aderência do automóvel à estrada, convém não descurar a distância de segurança aconselhada, dada a maior dificuldade em parar o veículo.

 

Visibilidade máxima

Ver e ser visto é essencial para a sua segurança na estrada. Mantenha os vidros e os espelhos limpos e ligue as luzes ao anoitecer e quando as condições ambientais ou meteorológicas tornem a visibilidade insuficiente, como chuva intensa, granizo, nevoeiro, pó, fumo, etc. O uso das luzes de nevoeiro é proibido quando as condições meteorológicas ou ambientais não o justifiquem. Convém também ligar as luzes sempre que usar os limpa-pára-brisas.

Mudanças de faixa

Sempre que possível evite mudanças de faixa desnecessárias e antes de o fazer use os retrovisores e verifique os ângulos mortos.

Use sempre os piscas antes de realizar a manobra para avisar os condutores que circulam atrás da sua intenção para que possam agir em conformidade.

Em caso de emergência

A paragem e estacionamento na berma das autoestradas é proibida e considerada uma contraordenação grave. “Somente em cenários de congestionamento de tráfego ou por emergência se pode parar, e apenas em situações imperativas devidamente justificadas. Nunca pare por sugestão de terceiros; além de proibido pode ser uma armadilha de carjacking!”, indica o IMT, adiantando que “a velocidade de reentrada na via tem de ser suficiente de forma a não pôr em perigo os demais veículos que nela circulam a velocidades mais elevadas (…). O diferencial de velocidade, na reentrada, do veículo e dos restantes que circulam na via de circulação deve ser mínimo. Por isto, a velocidade de reentrada na via não deve ser inferior a 80 km/h, em condições normais, usando a faixa da berma para aceleração antes da reentrada na via de trânsito.”

Em estado de alerta

Dada a velocidade permitida em autoestrada, distrações e sonolência podem facilmente originar acidentes, por isso concentre-se na estrada e faça pausas regulares em viagens mais longas, de duas em duas horas. Não fale ao telefone nem envie mensagens. Se necessário, pare numa estação de serviço ou numa área de descanso para o fazer. Em caso de extrema fadiga, peça que o substituam ao volante ou pare e durma pelo menos 20-30 minutos para recuperar um pouco.

Hidroplanagem (ou aquaplaning)

Durante os períodos de chuva intensa, o risco de hidroplanagem ou aquaplaning aumenta, devendo “reduzir-se a velocidade quando chove, pelo menos em 20% em relação à velocidade máxima permitida para o local, e evitar-se as poças, os charcos ou as zonas de acumulação de água. É boa prática controlar regularmente a pressão e o estado dos pneus”, aconselha o Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT).