Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Powered by

Cetelem
Notas em Dia

Família: 5 dicas para viver melhor só com um salário mensal

Família: 5 dicas para viver melhor só com um salário mensal

Passar a viver só com um ordenado em vez de dois nem sempre é fácil, mas uma boa organização facilita o processo. Ficam algumas dicas.

Maternidade – ou paternidade -, desemprego, ano sabático para dar novo rumo à carreira ou uma tentativa de amealhar ao máximo, pondo de lado a totalidade da fonte de rendimento de um dos membros do casal para um objetivo concreto, são vários os motivos por detrás das famílias que vivem com uma fonte única de rendimento e não duas, como seria expectável. A transição regra geral não é simples, mas uma boa gestão, boa vontade e disciplina facilitam o processo.

Orçamento é essencial

Elaborar um novo orçamento familiar deve ser uma prioridade. E reger-se pelo mesmo também, caso contrário arrisca-se a perder facilmente o controlo das suas finanças. Escolha o método (folha excel, caderno, app, ferramentas online, envelopes com dinheiro) que melhor se adeque às suas necessidades e mantenha-se fiel ao que ficou estipulado – eventualmente terá de ser feitos alguns ajustes, mas não deixe que isto se torne regra.

 

Reduza as despesas

Não há como evitá-lo: se os rendimentos diminuem, também as despesas têm de diminuir. Pegue nos extratos bancários e faturas (recorra ao e-fatura se necessário), faça uma lista das despesas recorrentes e veja onde pode cortar: televisão, refeições fora, por exemplo. Tente igualmente renegociar contratos de eletricidade, operador de televisão/Internet/telefone, ginásio (sobretudo se não for muito assíduo – cancelar, nesta situação é a melhor opção; caso seja, talvez esteja na altura de mudar para um low cost, por exemplo). Habitue-se ainda a controlar todas as despesas regularmente e verificar se ainda tem margem para as reduzir mais. Deixar de usar o carro e optar pelos transportes públicos é algo também a ponderar.

 

Minimalize

Diga adeus ao supérfluo – roupa que não é usada há mais de dois anos, papéis acumulados, minieletrodomésticos em duplicado ou que já não funcionam, brinquedos postos de lado, objetos decorativos, alimentos processados, refrigerantes… Deite fora, utilizando os contentores adequados, dê ou venda nos vários sites para o efeito. No que respeita a comida, opte por prepará-la em casa em vez de comprar já feito.

 

1, 2, 3 cupões

Use e abuse dos cupões de descontos publicados em revistas e folhetos promocionais, enviados por correio ou e-mail e mantenha-se a par das promoções, certificando-se antes de comprar de que valem mesmo a pena.

 

Poupe!

“Ainda mais?” é uma pergunta válida, mas se em épocas “normais”, pôr de parte pelo menos 10% dos rendimentos familiares para um fundo de poupança é um hábito a adotar, em épocas de recursos mais limitados, isto é primordial para poder fazer face a imprevistos como uma hospitalização de emergência, por exemplo.