Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Cortina Header
  Gestão Orçamental

Tenha consciência dos seus proveitos e dos seus gastos

Saiba mais »

 | Tenha consciência dos seus proveitos e dos seus gastos  | Tenha consciência dos seus proveitos e dos seus gastos
Casa

Mudança de escola: como ajudar o seu filho

Publicado em 11-09-2019 por Cofina Conteúdos

Iniciar o ano letivo numa escola nova não é, regra geral, fácil para a maioria dos alunos. Se é o caso do seu filho, saiba como pode ajudá-lo neste processo.

Independentemente da idade, a transição para uma escola nova representa um novo desafio que nem sempre é fácil de ultrapassar. Além da adaptação à rotina e disciplina das aulas, esta mudança exige a familiarização com os novos professores e os colegas, a política da escola e, não menos importante, o processo de travar novas amizades. Não é por isso de estranhar que todo o processo seja um pouco – por vezes, muitíssimo – intimidante, até mesmo para os pais. Se este ano se encontra nesta situação, pode ter um papel preponderante, ajudando o seu filho nesta etapa tão importante.

Paciência, uma virtude

A poucos dias do início das aulas, é normal que o comportamento do seu filho se altere, mostrando-se mais reservado, mais cabisbaixo ou isolando-se. O oposto é também possível; não se surpreenda se se tornar mais resmungão ou respondão. Mantenha-se atento, dê-lhe alguma margem de manobra, mas não tolere comportamentos que em circunstâncias normais não seriam aceitáveis.

Converse sobre o assunto

Não hesite em abordar o tema da mudança de escola com o seu filho. Pergunte-lhe quais as expectativas, receios, e converse também sobre como correu o seu dia, os pontos mais altos e mais baixos. Não subestime esta etapa da sua vida, mas faça-lhe ver que a mudança, apesar de intimidante, não tem de ser negativa, relembre-lhe outras mudanças pelas quais tenha passado com sucesso e frise que poderá manter-se em contacto com os amigos antigos e que decerto fará novos amigos, portanto, só terá a ganhar.

Fale com quem sabe

Se tiver familiares, amigos, vizinhos na mesma escola, ponha-os em contacto com o seu filho, que poderá assim esclarecer eventuais questões que possa ter relativamente à escola e partilhar experiências.

Visite a escola

Especialmente no caso dos mais novos, levá-los a conhecer a escola antes de as aulas começarem pode tranquilizá-los. Por vezes, basta uma passagem de carro à porta da escola para os deixar menos ansiosos.

Desporto escolar, atividades extracurriculares

Informe-se na escola sobre as atividades extracurriculares e as modalidades de desporto escolar que possam interessar ao seu filho e fale com ele sobre uma possível inscrição.

Não diga mal

O início das aulas não calha no melhor dia? Os horários não são os ideais para si? Não reclame à frente do seu filho. Mudar de escola já é stressante o suficiente para ele; não há necessidade de agravar a situação.

Trajeto de cor e salteado

Se o seu filho for a pé ou de transportes públicos sozinho para a escola, certifique-se de que conhece bem o trajeto antes de começar as aulas. No caso dos mais novos, faça algumas viagens de teste com ele para confirmarem não só o percurso, mas também os horários para saber a que horas é necessário sair de casa e prever a que horas chega. De preferência, acompanhe-o nos primeiros dias.

Sono precisa-se

Já em contagem decrescente para o início do ano letivo, é importante que nestes últimos dias de férias o seu filho readquira o hábito de se deitar mais cedo, de forma a possibilitar-lhe as horas necessárias de sono (9-11 horas entre os 6 e os 13 anos; cerca de 10 horas, entre os 14 e os 18, sensivelmente). Isto é algo de que não deve abdicar, até porque em épocas de maior ansiedade, há tendencialmente uma maior dificuldade em conciliar o sono.

Mantenha-se atento

Variações de humor, irritabilidade, descida das notas, são alguns dos sinais de que a adaptação à escola não está a correr muito bem. Fale com o seu filho e não hesite em recorrer ao diretor de turma e outros professores para perceber o que se passa e em conjunto ajudarem o seu filho.