Powered by

Cetelem
Notas em Dia
Literacia financeira, uma das principais chaves para o sucessoLiteracia financeira, uma das principais chaves para o sucesso

Literacia financeira, uma das principais chaves para o sucesso

Literacia financeira, uma das principais chaves para o sucesso

8 de setembro é a data escolhida para se celebrar anualmente o Dia Internacional da Literacia, na qual se englobam entre outras a literacia tradicional, a de saúde, a digital ou a financeira, essencial para uma gestão eficaz das finanças pessoais.

Este ano dedicado ao ensino da alfabetização e a aprendizagem durante a crise de covid-19, o Dia Internacional da Literacia, que é assinalado desde 1967,  foi instituído pela UNESCO para celebrar os diferentes avanços na área da literacia em todo o mundo e refletir sobre os vários desafios lançados pela mesma. A comemoração deste dia tem movido desde o início não só governos, como também a sociedade civil, sectores privados, ONG e todos os demais interessados num movimento conjunto para promover a literacia como uma parte integrante da aprendizagem ao longo da vida.

Considerada “uma força motriz do desenvolvimento sustentável, uma vez que permite uma maior participação das pessoas no mercado laboral, melhorar a saúde (…), reduzir a pobreza e aumentar as oportunidades de desenvolvimento”, de acordo com a UNESCO, a literacia tem um papel fundamental na perceção do mundo que nos rodeia, no qual se inserem as questões relacionadas com o dinheiro e a sua gestão, por exemplo.

Literacia financeira

Falar de literacia financeira é falar da educação e compreensão do conceito de dinheiro, da sua gestão, de consumo consciente, investimento e poupanças ou banca, entre outras, tendo como objetivo a tomada de decisões mais adequadas no que respeita ao dinheiro e às finanças pessoais. Não menos importante, a literacia financeira visa ainda o desenvolvimento de competências respeitantes ao orçamento familiar, poupanças, empréstimos, reforma, etc. Só com estas competências é possível fazer escolhas conscientes – e mais acertadas – no que toca ao dinheiro e consumo.

De pequenino

Desenvolver competências financeiras desde criança é meio caminho andado para a segurança financeira e sucesso no futuro. O papel dos pais , em conjugação com as escolas, na melhor abordagem ao dinheiro e ao seu conceito é por isso importantíssimo. Explicar o que é o dinheiro, como se obtém e por que razões se deve desenvolver hábitos de poupança desde tenra idade, bem como gastar com responsabilidade é um trabalho que deve ser iniciado cedo para lhes incutir as bases para uma boa – e sólida – gestão financeira na idade adulta.

Dominar as diferentes competências que a literacia financeira compreende é um processo em contínuo progresso; é sempre possível melhorá-las e/ou desenvolvê-las até porque as políticas financeiras e a economia também sofrem alterações, bem como as próprias finanças pessoais. Deixamos-lhe algumas dicas:

  1. Mantenha-se atualizado: Habitue-se a ler regularmente jornais, livros e artigos económicos, acompanhe podcasts, junte-se a webinars, procure cursos online. Estar bem informado permite-lhe tomar as melhores decisões financeiras.
  2. Registe as suas despesas: Se não tem ainda o hábito de o fazer, esta é uma boa altura para começar. Anotar tudo aquilo em que gasta dinheiro, do café ao euromilhões, durante um mês, por exemplo, possibilita-lhe uma noção clara das suas despesas regulares e, acima de tudo, fazer mais facilmente ajustes, se necessário. Apps como a Mobills, a Expensify ou a Money Care, entre outras, são uma boa ajuda.
  3. Tenha um plano de poupanças: Pôr dinheiro de parte para o futuro, para um fundo de emergência, para concretizar planos é um hábito que deve começar desde pequenino e manter ao longo de toda a vida. Se não é o seu caso, está ainda muito a tempo de dar o primeiro passo e começar a fazer um pé-de-meia. Uma das melhores formas é dar ordem para uma transferência automática quando recebe o ordenado para uma conta poupança.
  4. Poupe para a reforma: Esta é uma área que não deve descurar, mesmo que a idade da reforma pareça muito distante. E mesmo com descontos para a Segurança Social. Garantir uma segurança extra para a reforma deve ser uma prioridade.
  5. Orçamento revisto precisa-se: Tão importante como fazer um orçamento familiar é revê-lo e ajustá-lo regularmente para fazer face às alterações que vão surgindo na sua vida, como promoção e aumento correspondente de salário, desemprego, lay-off, despesas de saúde como aparelho dentário de um filho, aumento/redução do valor do(s) seguro(s),etc.
  6. Pondere as compras: Evite as compras por impulso, especialmente quando o preço for significativo. Espere pelo menos 24 horas para avaliar ‘mais a frio’ se de facto valem a pena e se são realmente necessárias. E, claro, compare preços.
  7. Verifique o extrato bancário e do cartão de crédito regularmente. Só assim pode verificar erros e eventuais situações de fraude.

Leia também: Finanças pessoais mais saudáveis em seis passos

Pilares da literacia financeira

De acordo com a Financial Literacy and Education Commission (Comissão Federal de Educação e Literacia Financeira norte-americana), a literacia financeira implica:

  • Saber quanto se ganha de facto, ou seja, não só o valor líquido, mas quanto é retido em impostos, Segurança Social e outros descontos, etc.
  • Saber poupar e investir, incluindo poupar para um fundo de emergência e para objetivos de curto e longo prazo.
  • Saber como proteger o seu dinheiro, o que passa por se proteger contra fraude e saber investir em produtos financeiros, como seguros, proteção vencimento/ordenado ou seguro cartão.
  • Saber gastar conscientemente, recorrendo a um orçamento e comparando preços.
  • Saber recorrer ao crédito com taxas de juro mais reduzidas, mantendo um histórico de crédito forte com hábitos de pagamento responsáveis.