Powered by

Cetelem
Notas em Dia
Venda melhor o seu carroVenda melhor o seu carro

Venda melhor o seu carro

Venda melhor o seu carro

Quer vender o seu carro pelo melhor preço? Siga as sugestões que lhe damos para conseguir um bom negócio.

Bom estado e bom aspeto são essenciais quando se trata de vender bem um carro e o seu não é exceção. Basta pôr-se, aliás, na pele de comprador perante um carro pouco cuidado e sujo. Compensa por isso investir numa boa limpeza de interior, tapetes e estofos incluídos. Se os estofos estiverem estragados, adquira umas forras. Já se encontram por preços bastante acessíveis. Veja também o porta-luvas, cinzeiros e compartimentos de arrumação das portas. Retire o lixo e tudo o que não seja mesmo essencial (colete, manual de instruções, pano de limpeza, etc.).

Sob o capô, a limpeza é também importante. Utilize um pano humedecido numa solução de água e detergente próprio para o efeito ou detergente para a loiça para limpar os vários componentes. Para facilitar um pouco o trabalho, experimente ligar o carro dois a três minutos para ajudar a “derreter” um pouco a gordura entranhada. Cuidado com os ácidos corrosivos da bateria. Em alternativa, pode recorrer ao trabalho de um profissional, levando o carro a uma oficina, uma solução indicada caso o motor esteja muito sujo.

Primeiro cartão de visita do carro, o exterior deve estar imaculado, leia-se muito bem lavado e a brilhar, vidros, cromados, faróis e pneus incluídos. Não se poupe por isso a esforços. Se não quiser lavagens automáticas, faça-o manualmente, em casa; pode inclusive pedir a ajuda de familiares ou amigos – importante mesmo é deixar o carro impecável.

Confirme se as escovas de limpeza estão em boas condições e se o esguicho de água está bem regulado e a funcionar bem atrás e à frente.

Riscos e manchas na pintura são outros dos aspetos a ter em atenção. Comece por lavar o carro e espere um pouco até secar bem. Depois pode optar por massa de polir, que encontra em oficinas de reparação, estações de serviço ou hipermercados e lixa apropriada para o efeito, caso contrário arrisca-se a maiores danos. Siga as instruções e finalize com a aplicação de cera para proteger a pintura. Pode também optar por um spray ou caneta de remoção de riscos – qualquer um deles com o mesmo código de cor do carro. Limpe previamente o local afetado e mantenha o carro num local à sombra alguns minutos antes de proceder como recomendado pelas instruções dos produtos. Proceda com cuidado e comece pelas zonas menos visíveis. Pode sempre recorrer aos serviços de profissionais, mas isto sai-lhe mais caro e a não ser que tenha a certeza de obter um bom valor pelo carro, não compensa.

 

Atenção aos detalhes técnicos

Levar o carro à oficina para uma inspeção e eventuais reparações ou substituições é também algo que deve considerar. Estado e nível do óleo, dos travões e pneus é importante até porque se estiverem em más condições, não há como disfarçar – se estiverem em muito mau estado, é aconselhável substituí-los. Tal como mossas grandes. Os pequenos detalhes também somam pontos ao valor do carro. É o caso do comando, que deve estar a funcionar bem, por isso confirme se a pilha funciona. E também do macaco e do triângulo, por exemplo.

Já agora, verifique os níveis da água/líquido do radiador e travões, confirme se o depósito de água do para-brisas está cheio.

 

Documentos em ordem

Livrete, registo, confirmação de pagamento de Imposto Único de Circulação, folha de inspeção, e registo de manutenção são documentos que deve ter consigo sempre que mostrar o carro a um potencial comprador. Se o carro nunca tiver estado envolvido num acidente, indique-o ao comprador. Se, pelo contrário, tiver tido acidente(s), não o revele a não ser que questionado sobre o assunto.

 

Preço a pedir

Decidir um bom preço – e realístico – é um dos pontos principais no processo de venda do seu carro. Para saber o valor do seu carro, tem vários sites à disposição: é o caso, por exemplo, do Auto Sapo, Eurotax, Stand Virtual, Guia do Automóvel ou Autouncle. Ao valor indicado, terá depois de acrescentar todo o equipamento extra ou opções, se aplicado ao seu automóvel. E provavelmente, mais algumas centenas de euros (cuidado para não exagerar), como margem de negociação…

Se o carro estiver em mau estado de conservação, poderá ter de pedir um pouco abaixo do recomendado.

 

Recomendações para comprar um carro usado

Se pretender comprar um carro, optar por um veículo usado obriga a um menor investimento; convém, no entanto, ter vários aspetos em consideração para não ser lesado. Faça uma lista daquilo que necessita num carro e quanto pode despender na sua aquisição (lembre-se que numa fase inicial terá de incluir despesas com o seguro, pelo menos) — faça as contas a quanto tem disponível para entrada e qual o montante máximo que pode gastar mensalmente no seu pagamento, tendo em consideração as demais despesas fixas que já tem. Para ter uma noção, pode consultar online vários dos simuladores de crédito à sua disposição, caso do da Cetelem ou Deco, bem como os das marcas ou do seu banco, por exemplo.

Com estes valores em mente, passe depois à pesquisa do carro propriamente dito. Dos concessionários das marcas, a stands de venda de usados e sites online, não faltam oportunidades de negocio. Evite decisões impulsivas e centre-se no que realmente importa: resposta às suas necessidades, consumo, fiabilidade, adequação ao preço, etc.

Escolhidos alguns carros, entre em contacto com o vendedor e peça um test drive, que deverá fazer na companhia de alguém de confiança que perceba um pouco de mecânica e de carros, caso os seus conhecimentos nesta área sejam escassos.

Junto ao carro, verifique estado dos pneus e carroçaria (mossas, riscos, ferrugem, etc.), confirme se todas as portas abrem e fecham bem, tal como os vidros, se os faróis e luzes no interior trabalham, tal como o comando. Estado dos estofos e dos tapetes são outros dos pontos a inspecionar – lembre-se que alguns dos defeitos por irrelevantes que sejam podem valer-lhe de base de negociação. Peça para abrir o capô, veja o nível de óleo, líquido no radiador e de travões, a validade da bateria. Depois sente-se no carro, aperte o cinto (experimente todos), insira a chave na ignição e ponha o motor a trabalhar e confirme que nenhuma das luzes indicadoras de avaria ou mau funcionamento não acende. Está na altura de dar uma volta e confirmar bom (ou mau) estado dos travões, direção, mudanças, ruídos estranhos, etc.

Antes de iniciar qualquer pagamento, peça para ver se os vários documentos do carro (registo e livrete e compare com o número de chassis e motor), bem como o IUC, estão em ordem, se o nome indicado coincide com o do vendedor, senão confirme a existência de declaração de venda. Convém ficar ainda com o manual do veículo, certificação da última inspeção e registo de revisões. Não menos importante, certifique-se da existência de garantia, não obrigatória se a venda for feita por um particular (embora a garantia original do carro possa ainda estar válida.

 

O melhor financiamento

Escolhido o carro e negociado já o preço do carro usado que pretende adquirir, é chegada a hora de o pagar. Se não puder pagá-lo a pronto, tem várias soluções de financiamento pelas quais optar e escolher a que melhor se adequa à sua situação. Consulte várias instituições de crédito, entre as quais o seu banco, que pode levar em conta o seu historial (créditos, produtos e serviços contratados, por exemplo) e outros especialista de crédito ao consumo, como a Cetelem, por exemplo – se comprar o carro num concessionário, informe-se ainda sobre as condições oferecidas pelo mesmo. Peça simulações para comparar os encargos associados e decida-se pela melhor solução.