Este website utiliza cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Para saber mais clique aqui.

Cortina Header
  Gestão Orçamental

Antecipar outros encargos

Saiba mais »

 | Antecipar outros encargos  | Antecipar outros encargos
Casa

Finanças pessoais: mitos comuns que deve esquecer

Publicado em 18-02-2020 por Cofina Conteúdos

Família, amigos ou conhecidos, não faltam conselhos sobre a melhor forma de gerir o seu dinheiro, mas será mesmo que todos são válidos? Conheça alguns daqueles a que não deve dar ouvidos – as suas finanças agradecem.

Comprar uma casa é sempre melhor do que arrendar

No início de carreira e quando se é jovem, arrendar revela-se a melhor opção, dado permitir-lhe maior margem de manobra e liberdade para perseguir os seus sonhos: melhores empregos, dentro ou fora do país, novas aventuras, etc.

Se mesmo assim ponderar comprar, tenha em conta fatores como o sinal, custos do processo, despesas com condomínio e outras obrigações, bem como o tempo que planeia permanecer na casa em questão.

Para eliminar as dívidas o melhor é pagar os mínimos exigidos

Quanto mais demorar a pagar, maiores serão os juros que se acumularão, o que pode gerar um ciclo vicioso, comprometendo a sua capacidade de as reduzir ou mesmo eliminar.

Se o seu parceiro gere o dinheiro de ambos, não precisa de preocupar com o assunto

Tem a certeza de que quer deixar o seu futuro inteiramente nas mãos de uma pessoa? Mesmo que as intenções sejam boas, há sempre a possibilidade de se cometerem erros e de se tomarem más decisões, o que pode reservar-lhe algumas surpresas desagradáveis. Já para não falar que o “viveram felizes para sempre”, apesar de ideal, estatisticamente é pouco realista, basta ter em atenção o número de divórcios e/ou separações.

Mesmo que seja a sua cara-metade a tomar as rédeas das vossas finanças, habitue-se a tirar regularmente algum tempo para falarem sobre o tema e perceber em que pé se encontram. Até porque assim é mais fácil aperceber-se do que tem de mudar ou corrigir para, por exemplo, alcançarem alguns objetivos mais depressa, caso de uma viagem, da aquisição de um carro ou de aumentar o agregado familiar.

Não ganho o suficiente para poupar

Em relação a poupanças há dois aspetos a reter, um é que qualquer poupança, por mínima que seja, é melhor do que nada e o melhor argumento é a história da galinha e do grão a grão; o outro é que poupar é um hábito e que quanto mais cedo se adotar, maiores e melhores serão os frutos.

Não pode começar com os 10% recomendados? Comece com 5% ou mesmo com 1%.

Na minha idade já não vale a pena tentar poupar para a reforma

Lá por ter entrado na casa dos 50 não quer dizer que seja tarde demais para começar a poupar para a reforma: lembre-se que a expectativa de vida é cada vez maior e que por isso mesmo ainda vai bastante a tempo de se assegurar uma melhor qualidade de vida nos anos vindouros.

As instituições financeiras são todas iguais

Condições, juros, qualidade do serviço prestado, atenção ao cliente são fatores que diferenciam as várias instituições financeiras. Daí a necessidade de fazer “os trabalhos de casa” e compará-las antes de fazer a sua escolha.

Se lhe autorizam um crédito é porque pode pagá-lo

Apesar de haver uma avaliação da capacidade de pagamento por parte das instituições financeiras antes de autorizarem um crédito, convém ter em conta que a sua situação financeira pode sofrer alterações, despesas acrescidas, outros créditos etc., que podem comprometer o cumprimento dos seus compromissos.