Powered by

Cetelem
Notas em Dia
Como ser mais humanitário em seis dicasComo ser mais humanitário em seis dicas

Como ser mais humanitário em seis dicas

Como ser mais humanitário em seis dicas

No mês em que se assinala o Dia Mundial Humanitário – ou Dia Mundial da Ajuda Humanitária –, deixamos-lhe algumas dicas para ajudar a tornar o mundo um pouco melhor, um passo de cada vez.

Dia 19 de agosto é a data escolhida para celebrar o Dia Mundial Humanitário, uma iniciativa do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários das Nações Unidas que surgiu após um atentado à bomba, que provocou a morte de 22 trabalhadores humanitários. Entre as vítimas mortais do atentado, que teve lugar no Hotel Canal, em Bagdade, no Iraque, estava o então representante especial do secretário-geral da ONU para o Iraque, Sérgio Vieira de Mello.

Todos os anos, nesta data, o Dia Mundial Humanitário (DMH), centrado sempre num tema diferente, é uma forma de chamar a atenção para “a sobrevivência, bem-estar e dignidade das pessoas afetadas por crises, e para a segurança dos trabalhadores humanitários”, pode ler-se no site das Nações Unidas.

Subordinado este ano ao tema “É preciso uma aldeia”, inspirado no provérbio africano “É preciso uma aldeia inteira para educar uma criança”, o DMH assume-se como um esforço coletivo para desenvolver o apreço global pelo trabalho humanitário.

Dica #1: Espalhe a palavra

Uma das formas de participar é partilhar os vários materiais disponibilizados oficialmente nas redes sociais, usando os hashtags #ItTakesAVillage e #worldhumanitarianday.

Dica #2: Apoie quem ajuda

Procure ajudar os mais vulneráveis. Os donativos são uma das melhores formas de auxílio imediato, para ajudar as comunidades afetadas por desastres e catástrofes. Os Médicos sem Fronteiras, o Start Fund, um fundo de múltiplos dadores gerido exclusivamente por Organizações Não Governamentais (ONGs), o Relief International, o International Rescue Committee ou a Unicef, por exemplo, são algumas das organizações que ajudam no terreno a responder às crises humanas. Por pouco que se contribua, ajuda sempre. Informe-se e envolva-se.

Dica #3

Contribua para um planeta são e habitável. Com recursos essenciais ameaçados, pondo em risco a sobrevivência de inúmeras pessoas e animais, fruto, entre outros, das alterações climáticas, é urgente mudarmos hábitos de consumo e forma de estar. Veja aqui as nossas dicas para o conseguir fazer.

Dica #4

Envolva-se na mobilização de causas humanitárias. Junte-se a organizações, mantenha-se a par da atualidade, escreva emails, crie e/ou assine petições, dirija-se à junta de freguesia, câmara municipal, governos, etc. Se não houver pressão, não há mudanças.

Dica #5

Participe em ações de voluntariado, de preferência de forma regular. Algo tão simples como fazer companhia uma(s) hora(s) por semana a idosos, levá-los a consultas, acolher e/ou ajudar refugiados no processo de integração, dar apoio escolar (explicações) a crianças e jovens institucionalizadas, “dar” umas horas por semana à Refood, por exemplo, participar na distribuição de refeições aos sem-abrigo… A lista não se fica minimamente por aqui. É fácil encontrar algo em que se possa integrar. Informe-se também sobre as ações de voluntariado além-fronteiras.

Dica #6

Envolva-se em projetos comunitários. Não há e tem uma boa ideia? Partilhe-a, defenda-a, convide outros a juntarem-se a si.